Navigation – Plan du site

Editorial

e-Lusotopie mas Lusotopie sempre !
p. VII-VIII
Cet article est une traduction de :
Éditorial
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Editorial

Texte intégral

1O número de Lusotopie que tem neste momento nas mãos é o último publicado por Brill Academic Publishers (Leyden).

  • 1 Sobre a passagem de Lusotopie de Karthala para Brill, ver M. Cahen, « Lusotopie 1994-2004 : viva a (...)

2Desde 2005, o nosso primeiro ano na editora Brill, até aos finais de 2009, publicámos nesta editora holandesa cinco volumes em nove belos números (um número duplo saiu em 2005). Também é muito provável que este nono fornecimento de Brill, o décimo sétimo depois do volume I, publicado em 1994 por L’Harmattan (Paris), e os dez volumes (em onze números) publicados por Karthala de 1995 a 20041 seja também o último publicado « em suporte de papel ». Uma tripla mutação aproxima-se : mudança de suporte (o suporte electrónico vem substituir o de papel), mudança de editor (negociações em curso com duas editoras universitárias norte-americanas) e mudança de chefe da redacção para o horizonte de 2010-2011 (M. Cahen anunciou já há muito tempo a sua vontade de deixar esse cargo detido há longos anos).

3Será que estamos a dar um salto em frente, visto que, segundo parece, 2010 será, a nível mundial, o ano da edição electrónica ? Esperamos que tal se venha a confirmar.

4Mas trata-se em primeiro lugar – e não há motivo para guardar segredo – de uma aventura que não conheceu os bons resultados esperados. Se olharmos para trás, verificamos que Lusotopie sempre contou com o apoio do Instituto de Estudos Políticos de Bordeaux e situava-se no seio do seu Centro de Estudos da África Negra. No entanto, não veio a revelar-se uma revista institucional como, por exemplo, os Cahiers d’études africaines ou os Cahiers du Brésil contemporain, que são revistas da École des hautes études en sciences sociales. Lusotopie tem sido sempre a revista de uma modesta associação de investigadores e nasceu fora dos grandes « foco internacionais" da investigação luso-afro-brasileira. Basta lembrar que, de facto, não se trata de uma revista de investigação sobre a « área cultural lusófona ». A lusofonia é tudo menos uma área cultural : ela é, nas palavras de Eduardo Lourenço, uma área específica de intersecção com outras identidades, e muitas vezes esses espaços não são, ou são muito debilmente... lusófonos. A língua é um marcador de identidade e nada mais. Tratou-se de uma revista especializada na análise política interdisciplinar abrangendo uma área de pertinência histórica, a fim de permitir comparações no interior dessa área e, acima de tudo, com o resto do mundo. O objectivo em vista foi a publicação de artigos voltados para a análise política (independentemente das disciplinas dos respectivos autores) como contribuição generalista à produção dos conhecimentos. Por definição, Lusotopie não poderia, por conseguinte, corresponder exactamente a um centro de pesquisa ou a um departamento universitário. Foi acima de tudo uma revista em rede. Foi essa a sua originalidade e também uma fraqueza.

5As dificuldades encontradas com as duas editoras (Karthala e Brill) não permitiram atingir um número suficiente de assinantes nem uma difusão satisfatória em livrarias. Além disso, as bibliotecas começaram, a partir de 2005, a diminuir o número das suas assinaturas de revistas « em papel », passando-as para os suportes puramente electrónicos. Esse movimento de declínio parece inexorável, mesmo se alguns editores continuam a lançar novas revistas em versão de papel.

6Actualmente, qual pode ser o desfecho possível para esta aventura ? Partimos do imperativo absoluto, que é aumentar consideravelmente o círculo de leitores de Lusotopie e encontrar o suporte mais adequado para atingir esse fim. Pareceu-nos que a continuação de Lusotopie em suporte electrónico, apoiada por uma grande editora universitária, constituiria a melhor solução. Como Brill também não quis continuar Lusotopie em suporte electrónico, entabulámos negociações com duas editoras universitárias norte-americanas. Anne Pitcher (Universidade do Michigan) e Marissa Moorman (Universidade de Indiana) têm a seu cargo a condução dessas negociações. O objectivo é a rápida inclusão em bases tais como as americanas Muse, JStor e a brasileira Scielo – o que pressupõe, principalmente em relação às duas primeiras, poder demonstrar antecipadamente uma notoriedade suficiente. É por isso que, durante pelo menos os primeiros anos, Lusotopie terá acesso livre e totalmente gratuito.

  • 2 O título Lusotopie mantém-se propriedade da Association des chercheurs de la revue Lusotopie, assoc (...)

7A orientação geral não sofrerá alteração e a revista será sempre trilingue e ciosamente independente2. A qualidade gráfica deverá manter-se de alto nível, com uma capa esteticamente bela. É claro que se tratará de uma nova geração de redacção, com uma equipa sensivelmente alterada e com outra forma de actuar. Os « Europeus » e os « Africanos » maioritários quando da fundação la revista não desaparecerão da redacção, mas o número dos « Americanos » (tanto do Norte como Sul) deverá aumentar.

8Para os « veteranos » da revista, os membros fundadores, não há dúvida de que a passagem para o todo electrónico é difícil, apegados como estamos ao bom e velho papel. Tudo electrónico ? Não totalmente. Se é verdade que o Book on demand funciona bem para os livros e menos bem para as revistas, pretendemos estudar essa possibilidade, a fim de que aqueles que se encontram ligados ao papel possam encontrar Lusotopie sob essa forma.

9Anunciaremos largamente a saída do volume XVII, o primeiro sob a nova forma (provavelmente nos finais de 2010), e o melhor será consultar com regularidade o site <www.lusotopie.sciencespobordeaux.fr>. Os dossiês em curso de maturação são legião : « Guiné-Bissau, o Estado de crise permanente ? », « Atlântico cristão », « Memória da escravatura », » Bourdieu em lusofonia », « Luso-petróleo », « Judaismo em lusofonia », etc.

10Por seu lado, Brill decidiu valorizar os nove números por ela editados, pois estarão com texto integral e gratuitamente em Ingenta a partir de Janeiro de 2010 ; particulares e bibliotecas poderão adquiri estes volumes « de papel » ao atraente preço global de apenas € 100,00.

11Contamos com a sua fidelidade.

A Redacção,
na sequência da assembleia-geral extraordinária realizada em Paris, a 28 de Novembro de 2009.

Haut de page

Notes

1 Sobre a passagem de Lusotopie de Karthala para Brill, ver M. Cahen, « Lusotopie 1994-2004 : viva a continuação ! », Lusotopie (Paris, Karthala), X : 7-14 ; M. Cahen, « Lusotopie na editora Brill : nova etapa para uma revista com doze anos de idade », Lusotopie (Leyden, Brill), XII (1-2) : vii-x.

2 O título Lusotopie mantém-se propriedade da Association des chercheurs de la revue Lusotopie, associação de direito francês.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

« Editorial », Lusotopie, XVI(2) | 2009, VII-VIII.

Référence électronique

« Editorial », Lusotopie [En ligne], XVI(2) | 2009, mis en ligne le 01 novembre 2015, consulté le 23 septembre 2017. URL : http://lusotopie.revues.org/118

Haut de page

Droits d’auteur

Tous droits réservés

Haut de page
  • Logo Idemec
  • Logo Aix Marseille Université
  • Logo CNRS – Institut des sciences humaines et sociales
  • Logo MMSH
  • Revues.org